Hábito de leitura leva catador de lixo para universidade federal




Criado pela avó e pela mãe, Carlos César Alves Correa passou a infância recolhendo lixo das ruas de Porto Alegre. De manhã, coletava papel e latas com outras sete crianças da família. De tarde, frequentava a escola. De noite, ficava na pequena casa de chão batido e paredes de madeira velha. “Quando batia vento forte, o telhado voava”, relembra Correa sobre a moradia da infância. O pátio da casa abrigava ainda a égua da família, animal usado para puxar a carroça com o material recolhido nas ruas.

“As pessoas se sensibilizavam em ver as crianças catando o lixo e doavam comida. Eu tinha vontade de estudar, mas não tinha influência da minha família porque ninguém sequer tinha o ensino fundamental completo. Não culpo eles, nenhum deles recebeu o exemplo antes”, conta o rapaz de 24 anos.

Porém, a família recebia mais do que comida. Quando tinha dez anos, o garoto ganhou um livro que despertou seu desejo de ser professor. “A história era parecida com a minha, de um jovem que queria estudar, mas não tinha recursos. Eu me enxerguei ali”, contou a VEJA.

Foi através da leitura, frequentando bibliotecas públicas da capital gaúcha e “espiando” livros nos sebos, que Correa deixou a rotina de catador de lixo para ser aprovado no curso de Letras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente, o universitário conta sua história para jovens em vulnerabilidade social através de projetos da Rede Marista, em Porto Alegre. Um desses projetos é a “Rede do Livro”, iniciada em agosto, que incentiva a doação de livros para modificar o baixo índice de leitura no país: 1,7 livro per capta por ano, segundo o Ministério da Cultura. Os voluntários podem doar livros diretamente para pessoas ou instituições de sua escolha e utilizar a “hashtag” #rededolivro nas redes sociais para divulgar a ação. A campanha também promove a doação de sangue.

Antes de contar sobre a importância da leitura e da literatura na sua vida para outros jovens, o rapaz chegou a abandonar a escola para ajudar a família com um trabalho mais rentável. “Cortaram água, luz e o aluguel era alto para o que se recebia. Precisei colaborar. Achei que nunca voltaria a estudar”, conta. Mas Correa conseguiu emprego e retomou os estudos. Pagou com o próprio dinheiro um cursinho para se preparar para o vestibular e foi aprovado na UFRGS. Correa foi aprovado pelo sistema de cotas (racial, por renda e por ter estudado em escola pública).

Para conseguir estudar no turno da manhã e tarde, Correa trabalha atualmente em uma empresa de call center. “Meu trabalho tem muita pressão, mas é o único mercado que tem contratado durante a crise e tem flexibilidade de horário para que eu possa ir à universidade”, explica o universitário.
Desde que a leitura se tornou um hábito, Correa elegeu Machado de Assis como seu autor favorito, mas também é admirador dos poetas Mário Quintana e Cecília Meireles. Aluno do quarto semestre, Correa planeja ser professor de escolas públicas assim que se formar para despertar nas crianças o interesse pela literatura e pela leitura.

Flip 2017: autores dão dicas a escritores iniciantes

Marlon James, Luaty Beirão, Lilia Swcharcz e Frederico Lourenço aconselham quem quer se tornar autor. Festa Literária Internacional de Paraty acabou neste domingo.


"Que dicas você dá a alguém que queira se tornar um escritor, como você?"


·        O premiado jamaicano Marlon James;
·        O rapper e ativista angolano Luaty Beirão;
·        A historiadora Lilia Schwarcz, biógrafa de Lima Barreto;
·        O português Frederico Lourenço, tradutor da 'Bíblia'.


Veja, abaixo, as dicas dos autores da Flip 2017:


Foi esta a pergunta que o G1 fez a quatro convidados da 15ª Festa Literária Internacional de Paraty
(Flip), que terminou neste domingo (30). Eles de estilos bastante variados: tem romancista
premiado, autor de não ficção, cantor e acadêmico:


Em geral, sugerem fé si mesmo e, principalmente, estilo original (nada de imitar autor bem-sucedido).



Ganhador do Man Booker Prize de 2015 e astro da Flip 2017, o jamaicano Marlon James, autor de 'Breve história de sete assassinatos', aconselha: 'Sempre acredite no seu valor. Seu tempo chegará quando você for o único a acreditar em si mesmo'.




O rapper e ativista luso-angolano Luaty Beirão, que lançou na Flip 2017 um diário da época em que esteve preso por ler um livro 'subversivo', dá a seguinte dica: 'Nunca deixe ninguém fazer com que você duvide das suas próprias capacidades. insista até que funcione. Não imite, seja original'.




O português Frederico Lourenço, tradutor da 'Bíblia' do grego para o português, recomenda: '"A fonte principal da escrita é a vida e, por isso, o escritor tem de viver de forma inteira, mergulhado na vida, mas ao mesmo tempo mantendo a capacidade de se observar a mergulhar'.




A historiadora e escritora Lilia Schwarcz, autora da biografia 'Lima Barreto: Triste visionário', dá a dica: ''Queridos amigos jovens escritores, curiosidade e solidariedade são os segredos'.



Flip deu visibilidade a autores negros e a temáticas da periferia

Edição 2017 da Festa Literária Internacional de Paraty teve como estrela a professora Diva Guimarães, com sua fala sobre como enfrentou o racismo.

As escritoras mineiras Conceição Evaristo e Ana Maria Gonçalves durante a mesa 'Amadas'

Escritores, organizadores e quem passou pelas ruas de pedra durante a 15ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) chegaram ao último dia do evento com a percepção de que algo mudou. Não que, antes desta edição, não se pudesse ver na cidade a diversidade do povo brasileiro. A marca da descendência indígena, sobretudo, é inquestionável, seja nos traços dos nativos, seja no artesanato exposto nos espaços públicos ou no próprio nome do Rio Perequê-Açu.

Desta vez, porém, foi diferente na Flip que teve o escritor Lima Barreto como patrono. Ao convidar para as mesas mais escritoras mulheres (23, o mesmo número de homens) e mais autores negros (30%) em relação a outras edições, a festa mudou o perfil de seus frequentadores. A diversidade estava presente nos cabelos crespos orgulhosamente exibidos pelas moças, nos leitores negros que participaram dos eventos, na proliferação de saraus em que jovens declamavam os próprios versos – como ocorreu sábado, no Largo do Rosário, durante Sarau Boto Fé.

A palavra, realmente, era franca a quem quis celebrá-la. ''Num ano tão adverso, chegamos à maturidade da ocupação do espaço público com a cultura. Flip é intervenção e ao mesmo tempo leitura das coisas que estão acontecendo. Desta vez, ficou mais claro a experiência que é a Flip, clareza que está em seu DNA desde o começo, assim como na convivência com os moradores, na diversidade que a gente viu este ano'', pontuou Mauro Munhoz, diretor-geral da Flip, ao apresentar o balanço dos cinco dias de festa.

Boa parte das mesas foi realizada na Igreja Matriz Nossa Senhora dos Remédios. Com capacidade para 400 pessoas, as sessões lotaram todos os dias – os ingressos custaram R$ 55. O mesmo ocorreu no auditório montado às margens do Rio Perequê-Açú, com 700 lugares e acesso gratuito às palestras exibidas no telão.

''Fiquei muito feliz este ano. Voltamos ao começo. Josélia construiu uma programação maravilhosa. Amei a nova forma, tanta diversidade no Centro da cidade'', afirmou a britânica Liz Calder, referindo-se à jornalista Josélia Aguiar, curadora da feira literária. Fundadora da editora londrina Bloomsbury, Calder é idealizadora e presidente da Flip.

DIVA

A estrela desta edição não foi uma escritora, mas a professora paranaense Diva Guimarães, de 77 anos. Seu relato emocionou o ator e escritor Lázaro Ramos, a jornalista portuguesa Joana Gorjão Henriques e o público durante a mesa A pele que habito, na manhã de sexta-feira, 28. A fala sensível sobre como Diva enfrentou o racismo, por meio da educação, caiu na rede, fazendo dela a celebridade da Flip. Diva foi recebida por Lázaro e pela escritora mineira Conceição Evaristo, tirou fotos com as pessoas na rua e foi ovacionada em vários eventos a que assistiu.

A Flip foi marcada por manifestações políticas, com gritos de ''Fora, Temer'' e ''Fora, Pezão'' destinados ao presidente da República, Michel Temer, e ao governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão. O poeta André Vallias criticou a prisão de Rafael Braga, jovem negro detido nas manifestações de junho de 2013. Na mesa Foras de série, o historiador João José Reis fez considerações acerca do governo brasileiro, do ensino de literatura e da cultura afro-brasileira nas escolas e das cotas sociorraciais. E denunciou a ''escravidão contemporânea''.

APLAUSOS Durante a mesa de encerramento Amadas – ao lado das autoras mineiras Conceição Evaristo e Ana Maria Gonçalves –, a curadora Josélia Aguiar foi muito aplaudida por ampliar a participação de autores negros no evento.
''O fato de ter mais mulheres e mais autores negros não deixa de fazer da Flip uma festa literária. É a literatura que está em primeiro plano. Num primeiro momento, fazemos a pesquisa de autores, da diáspora negra, árabes, nórdicos, asiáticos e americanos. Depois você compõe uma espécie de Tinder literário. O segundo momento é pensar as combinações'', contou ela.

Para Conceição Evaristo, a mudança na curadoria foi fruto da mobilização de homens e mulheres negras. ''Não é uma concessão. É um direito estarmos aqui'', resumiu a autora do romance Becos da memória.

Pela primeira vez, o evento contou com a série Fruto estranho, em que os autores apresentavam versos de maneira performática. A atriz e dramaturga Grace Passô e o poeta e multiartista Ricardo Aleixo, ambos mineiros, conquistaram o público.

A escritora Ana Maria Gonçalves espera que a curadoria mais inclusiva influencie outros eventos. ''Feminismo, racismo e migração foram temas contemplados, tudo isso sem perder o foco na literatura. Que todos se inspirem nesse modelo de festa inclusiva e representativa'', afirmou.

FLIP PRETA

Os jovens integrantes do coletivo Nuvem Negra, que vieram à cidade fluminense cobrir a ''Flip preta'', comemoraram a maior representatividade desta edição, mas acreditam que ela pode ser maior.

''É a minha quarta Flip e a diferença ficou bem clara. Há presença maior de pessoas negras, mas ainda é pouco. A fala da dona Diva só ocorreu porque ela encontrou espaço, porque era o Lázaro que estava na mesa'', disse Bruna Souza, de 24 anos, estudante de desenho industrial da PUC Rio.

A estudante de jornalismo Gabriele Roza, de 21, destacou a importância do lançamento do catálogo Intelectuais negras visíveis, organizado pela professora Giovana Xavier, que reuniu mulheres negras de todas as idades na Casa Amado e Saramago. ''Podemos falar sobre tudo: amor, literatura... Enfim, assuntos universais'', comentou.

ECLETISMO

A Flip 2017 ofereceu eventos memoráveis. Um deles foi a conversa de Pilar del Río com Paloma Amado, que lançaram o livro Com o mar por meio (Companhia das Letras), reunindo cartas trocadas entre os escritores José Saramago e Jorge Amado. A linguagem e a radicalização de experimentações foram tema da mesa formada pelo cineasta Carlos Nader e a escritora chilena Diamela Eltit. Outro ponto alto foi a mesa O grande romance americano, com os autores premiados Marlon James e Paul Betty.

4 formas de incentivar a leitura nas crianças




Quem já teve a oportunidade de perder-se entre as páginas de um livro sabe que a leitura é uma das melhores atividades para quem deseja momentos relaxantes, prazerosos e cheios de aprendizado. Um livro tem o poder de transportar a mente para dimensões únicas, além de ser uma excelente fonte de inspiração para a criatividade. Entre os diversos capítulos de uma obra, o leitor passa a enxergar a vida de uma maneira diferente e a estimular seu pensamento reflexivo.

Para as crianças, esses benefícios são ainda mais preciosos. Incentivar o hábito da leitura, desde cedo, é muito importante pois é, durante a infância, que os pequenos começam a se desenvolver física e cognitivamente. Além disso, essa é uma fase de descoberta em que as crianças aprendem a distinção entre aquilo que é correto e aquilo que não é, e também iniciam o processo de alfabetização e conhecimento de mundo. Pensando nisso, reunimos algumas dicas para ajudar a você a incentivar o hábito de leitura no seu pequeno. Confira!

1 – Não obrigue a criança a ler

O primeiro passo é evitar qualquer tipo de obrigação relacionada à essa atividade. Os pequenos devem se sentir interessados pela leitura e enxergá-la como algo prazeroso. Por isso, a dica é que os próprios pais comecem a ler para os seus filhos, até mesmo para aqueles que já iniciaram o processo de alfabetização. Observando o entusiasmo dos pais, as crianças ficarão ainda mais interessadas pelo livro.

2 – Encontre o tipo de leitura que o seu filho gosta

Levar em conta o gosto da criança é um ponto-chave para incentivar a leitura. Por isso, é fundamental conversar com o seu filho sobre suas preferências ou levá-lo para escolher algum livro na seção infantil da biblioteca ou livraria. Se a criança se interessa por pintura, por exemplo, um livro de colorir pode ser uma boa pedida.

3 – Escolha o livro apropriado para a idade

Um fator fundamental para incentivar a leitura é fazer a escolha do livro de acordo com a idade da criança. Antes da alfabetização, os pequenos tendem a ter um contato visual e a querer sentir os livros com as próprias mãos. Nessa fase, edições de livros coloridos e feitos de plástico são ideais. Já com o início da alfabetização, é indicado que os pais adotem um método de leitura alternada, ou seja, deixar o filho ler uma parte da história e o pai a outra. Nesse momento, prefira livros que tenham um equilíbrio entre a escrita e as ilustrações.

Para não errar na escolha das obras, uma boa opção é assinar um clube do livro e, assim, receber títulos adequados para a idade do seu filho. A Leiturinha é um exemplo de clube de assinatura de livros infantis. O clube conta com uma equipe de curadoria, composta por profissionais especializados na área de pedagogia e psicologia, que seleciona os livros apropriados para a idade de cada criança.

4 -Estimule o interesse para a criação de histórias

Mesmo após a alfabetização, é fundamental a participação dos pais para que os pequenos continuem envolvidos com a leitura. A última dica, então, é instigar a criação de histórias para que os pequenos criem suas próprias narrativas e, quem sabe, até seus próprios livros. Assim, a criança desenvolverá a capacidade cognitiva, criativa e ficará ainda mais interessada por livros.


Biblioteca pessoal de Fernando Pessoa disponível on-line e gratuita

Somente uma visita à Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, permitiria uma consulta à Biblioteca pessoal do poeta.

Mas a internet estreitou laços, diminuiu fronteiras e proporcionou a oportunidade do acesso rápido e gratuito ao acervo. São mais de 1140 volumes, incluindo a coleção de manuscritos (ensaios e poemas), deixados pelo próprio poeta.

É possível consultar as obras do acervo por título, data, gênero, anotações, dedicatórias, selos e estudos. Todas as páginas de cada uma das obras foram digitalizadas e disponibilizadas para consulta página a página, com a possibilidade de download de obras completas.

“Entendemos que uma biblioteca desta importância devia tornar-se patrimônio da humanidade – e não apenas dos que podem deslocar-se a esta Casa onde Fernando Pessoa viveu os últimos quinze anos da sua vida” defendeu a instituição.

De acordo com o site, a coleção começou a ser construída gradualmente em 1898, com livros escolares. Alguns dos últimos livros a fazerem parte da biblioteca provavelmente foram publicações de 1935. Oito línguas encontram-se representadas no acervo: espanhol, francês, galego, grego, inglês, italiano, latim e português.

Trata-se de uma biblioteca única em Portugal, não só por ter pertencido ao seu maior poeta, mas porque nela encontram-se títulos raros que não estão disponíveis em nenhuma outra biblioteca pública do país.





Você conhece conhece a série 13 Reasons Why?



Uma série americana apoiada no livro de homônimos escrito por Jay Asher, conta a história da personagem Hanna uma jovem que cometeu suicídio, após cruzar fatos e histórias envolvendo outros personagens, até o momento de sua morte.

Essa história pode parecer perturbadora, porém trata a realidade do mundo que vivemos hoje.

A Biblioteca ESPM SP abordou o tema em seu evento Caleidoscópio Cultural, que aconteceu no dia 1 de junho e contou com a participação o psicanalista João Matta, o professor líder na área de humanidades da ESPM, Pedro de Santi e o psiquiatra de crianças e adolescentes, Guilherme V. Polancyk.
O encontro foi muito esclarecedor e fundamental para entender os porquês existentes em cada questionamento individual.

O que é o Caleidoscópio e por que é legal participar?

O Caleidoscópio foi criado em 2015, por iniciativa de Debora Acquarone, responsável pela Biblioteca da ESPM em SP.

Já foram realizados seis eventos desde então, sempre com o objetivo de aproximar a Biblioteca da comunidade acadêmica ESPM. O Caleidoscópio já trouxe para dentro da Escola a discussão sobre as séries de sucesso na televisão, música, cinema e desafios do mercado editorial.

A leitura como tratamento para diversas doenças


Imagine chegar ao consultório ou ao hospital com um incômodo qualquer e sair de lá com a prescrição de uma terapia intensiva de George Orwell, seguida de pílulas de Fernando Pessoa, emplastros de Victor Hugo e doses generosas de Monteiro Lobato. Você não leu errado: uma boa história ajuda a aliviar depressão, ansiedade e outros problemas que atingem a cabeça e o resto do organismo.

Quem garante esse poder medicamentoso das ficções são as inglesas Ella Berthoud e Susan Elderkin, que acabam de publicar no Brasil Farmácia Literária (Verus). Redigida no estilo de manual médico, a obra reúne cerca de 200 males divididos em ordem alfabética. Para cada um, há dicas de leituras.

As autoras se conheceram enquanto estudavam literatura na Universidade de Cambridge. Entre um debate sobre um romance e outro, viraram amigas e criaram um serviço de biblioterapia, em que apontam exemplares para indivíduos que procuram assistência. “O termo biblioterapia vem do grego e significa a cura por meio dos livros”, ressalta Ella.

O método é tão sério que virou política de saúde pública no Reino Unido. Desde 2013, pacientes com doenças psiquiátricas recebem indicações do que devem ler direto do especialista. Da mesma maneira que vão à drogaria comprar remédios, eles levam o receituário à biblioteca e tomam emprestados os volumes aconselhados.

A iniciativa britânica foi implementada com base numa série de pesquisas recentes que avaliaram o papel das palavras no bem-estar. Uma experiência realizada na Universidade New School, nos Estados Unidos, mostrou que pessoas com o hábito de reservar um tempo às letras costumam ter maior empatia, ou seja, uma capacidade ampliada de entender e se colocar no lugar do próximo. Outra pesquisa da também americana Universidade Harvard apontou que leitores ávidos são mais sociáveis e abertos para conversar.

E olha que estamos falando de ficção mesmo. No novo livro não vemos gêneros como autoajuda ou biografia. “Eles já tinham o seu espaço, enquanto as ficções eram um recurso pouco utilizado. É difícil lembrar-se de uma condição que não tenha sido retratada em alguma narrativa”, esclarece Susan.

As autoras acreditam que é possível tirar lições valiosas do que fazer e do que evitar a partir da trajetória de heróis e vilões. “Ler sobre personagens que experimentaram ou sentiram as mesmas coisas que vivencio agora auxilia, inspira e apresenta perspectivas distintas”, completa.

As sugestões percorrem praticamente todas as épocas e movimentos literários da humanidade. A obra mais antiga que integra o livro é a epopeia O Asno de Ouro, assinada pelo romano Lúcio Apuleio no século 2, que serve de fármaco para exagero na autoconfiança. Há também os moderníssimos Reparação, do inglês Ian McEwan (solução para excesso de mentira), e 1Q84, do japonês Haruki Murakami (potente para as situações em que o amor simplesmente termina).

Disponível em 20 países, cada edição de Farmácia Literária é adaptada para a cultura local, com a inclusão de verbetes e de literatos nacionais. “Nós precisamos contemplar as obras que formaram e moldaram o ideal daquela nação para que nosso ofício faça sentido”, conta Ella. No caso do Brasil, foram inseridos os principais textos de Machado de Assis, Guimarães Rosa e Milton Hatoum, que fazem companhia aos portugueses Eça de Queirós e José Saramago.

Soluções para os dilemas de quem curte livros

Muitas obras em casa

Organize sua biblioteca a cada seis meses e doe as obras de que não gostou ou daquelas a que não chegou ao fim.

Esquecer o que já leu

Mantenha um diário de leitura e faça um breve resumo dos principais fatos para consultar quando houver necessidade.

Medo de iniciar um exemplar

Passe os olhos por trechos aleatórios de alguns parágrafos. Assim dá pra se ambientar e tomar coragem de vez.

Dificuldade de concentração

Reserve um espaço na sua agenda diária ou semanal para ler e ficar longe da televisão, do tablet e das redes sociais.

Recusa a desistir no meio

Insista por 50 páginas. Se a história não apetecer, parta para a próxima. Dê o livro a quem possa se interessar.

Tendência a desistir no meio

Você está dedicando poucos minutos à leitura. Fique uma hora (ou mais) para conseguir se envolver com o enredo.

Compulsão por ter livros

Compre um e-reader. Sem capas bonitas e formatos diferenciados, vai ficar menos tentado a levar a livraria inteira.

Intimidado por um livrão

Desmembre o catatau em pedaços menores. Dedique-se a um de cada vez. Acredite: logo todas as páginas serão finalizadas.

Vergonha de ler em público

Aposte nos livros digitais ou numa capa de crochê, pano ou plástico para esconder o título dos olhares curiosos.

Medo de terminar

Curtiu tanto que não quer chegar ao final? Veja filmes e leia resenhas para permanecer dentro do mesmo universo.

Iniciativa presenteia crianças carentes com livros para que se apaixonem pela literatura


Ler é uma atividade prazerosa e ajuda no rendimento escolar de crianças e adolescentes. É o que diz uma pesquisa do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) e inspirou uma linda iniciativa.


A leitura contribui para o desenvolvimento de habilidades como interpretação de texto, imaginação e criatividade. Porém, nem todas as crianças brasileiras têm um livro para chamar de seu, o que pode trazer problemas futuros na sua formação.

É para preencher esse vazio que surgiu o 1BOOK4LIFE. O objetivo da iniciativa é que estudantes de todo o país – principalmente das camadas mais pobres – se apaixonem pela literatura, presenteando-os com livros.

A iniciativa funciona através de um sistema de doações. Quando a pessoa faz sua doação para o 1BOOK4LIFE, ela escolhe a quantidade de crianças que deseja presentear e tem acesso a informações sobre a escola em que elas estão matriculadas. Os alunos levam os livros para casa e podem compartilhá-los com seus familiares, vizinhos e amigos.

Cada livro possui um código de identificação, através do qual o doador pode acompanhar o trajeto percorrido pelos exemplares doados, os indicadores de desempenho da escola beneficiada, além de cartinhas fofas das crianças agradecendo o presente.

As obras são presenteadas por investidores sociais, pessoas e empresas que reconhecem a importância da leitura para a formação integral de crianças e adolescentes.

A distribuição é feita nominalmente, a cada aluno, a partir da adesão da escola pública. A escola tem um papel fundamental na mobilização do corpo docente e do aluno para que o livro faça a diferença em sua vida, sua formação e socialização.

Olha só:

Saiba como participar aqui.


Morador de rua passa em 2º lugar em Administração na UFRN






Vendedor ambulante e morador de rua, Mário Batista da Cruz Júnior, de 34 anos, passou em segundo lugar no curso de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Determinado a voltar a estudar, ele conta que leu tudo o que podia para se preparar para a prova do Enem.

Mário dorme todos os dias no Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua (Centro Pop) de Panamirim, na região da Grande Natal. Ele conta que precisa chegar cedo para conseguir uma das 26 vagas, onde tem acesso, além do abrigo, a assistência social, jurídica e psicológica. Seu plano agora, porém, é conseguir uma vaga na residência universitária.

O mais novo calouro de administração sempre gostou de ler, e emprestava a maioria dos livros que lia de uma minibiblioteca do Coletivo For All, que fica no bairro Cohabinal da cidade. Ele acredita que o conhecimento, diferente de bens materiais, uma vez adquirido, nunca mais será perdido.

Mário começou a experimentar substâncias químicas desde muito cedo e por isso abandonou os estudos. Ele conta que começou a beber aos nove anos, e a partir daí experimentou muitas outras coisas. Agora, Mário pretende refazer seus laços familiares, se dedicar aos estudos e seguir para uma nova vida.




Quem adora ler sabe que, muitas vezes, é difícil achar aquele lugar aconchegante, silencioso e bem-iluminado para que a leitura seja excelente e dure por mais tempo. Ou ambientes em que se possa conversar sobre as últimas leituras com amigos ou pessoas que você ainda não conhece. E também está sempre à procura de dicas de novos livros para adicionar à readlist. Por isso, separamos algumas sugestões de lugares espalhados pelo Brasil para que você possa aproveitar ainda mais o ato da leitura.


Os lugares que você encontrará a seguir foram descritos por suas próprias organizações e têm muita história para contar, então não deixe de clicar no link de cada um para saber um pouco mais. Também fica mais fácil de montar um roteiro para conhecê-los pessoalmente, que tal? Os links fornecem informações como horário de funcionamento, preços e visitadas guiadas. Além disso, a programação cultural desses locais também merece ser acompanhada, e uma dica nesse sentido é seguir as páginas das instituições nas redes sociais para ficar sempre por dentro das novidades.



1. Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro (RJ)

“A Biblioteca Nacional (BN) é o órgão responsável pela execução da política governamental de captação, guarda, preservação e difusão da produção intelectual do País. Com mais de 200 anos de história, é a mais antiga instituição cultural brasileira.

Possui um acervo de aproximadamente 9 milhões de itens e, por isso, foi considerada pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) como uma das principais bibliotecas nacionais do mundo. Para garantir a manutenção desse imenso conjunto de obras, a BN possui laboratórios de restauração e conservação de papel, oficina de encadernação, centro de microfilmagem, fotografia e digitalização”.



2. Academia Brasileira de Letras, Rio de Janeiro (RJ)

“A Academia Brasileira de Letras (ABL) é uma instituição cultural inaugurada em 20 de julho de 1897 e sediada no Rio de Janeiro, cujo objetivo é o cultivo da língua e da literatura nacionais. Compõe-se a ABL de 40 membros efetivos e perpétuos, e 20 sócios correspondentes estrangeiros”. É possível visitar a sede histórica e acompanhar “ciclos de conferências, mesas-redondas, sessões especiais, eventos relacionados à música e a teatro, e ainda, lançamentos de livros”.



3. Real Gabinete Português de Leitura, Rio de Janeiro (RJ)

“Pelo seu prestígio nos meios intelectuais, pela beleza arquitetônica do edifício da sua sede, pela importância do acervo bibliográfico e ainda pelas atividades que desenvolve, o Real Gabinete Português de Leitura é, a todos os títulos, uma instituição notável e que muito dignifica Portugal no Brasil. Em 14 de Maio de 1837, um grupo de 43 emigrantes portugueses do Rio de Janeiro […] reuniu-se na casa do Dr. António José Coelho Lousada, na antiga rua Direita (hoje rua Primeiro de Março), nº 20, e resolveu criar uma biblioteca para ampliar os conhecimentos de seus sócios e dar oportunidade aos portugueses residentes na então capital do Império de ilustrar o seu espírito”. Desde então, essa biblioteca passou por muitas mudanças e hoje é aberta a todo o público.



4. Casa de José de Alencar, Fortaleza (CE)

“A Casa de José de Alencar está situada no Sítio Alagadiço Novo, no bairro de Messejana, Fortaleza-CE e foi adquirido em 1825 pelo padre José Martiniano de Alencar, pai do escritor cearense José de Alencar, personagem principal da nossa história. Por nove anos, este espaço foi o lar do escritor, autor dos mais renomados títulos da Literatura Nacional, com destaque para as obras ‘Iracema’ e ‘O Guarani’, que foram fortemente influenciadas pelas belezas naturais do estado do Ceará. Em 1965, durante a gestão do reitor Antonio Martins Filho, a Universidade Federal do Ceará adquire o sítio e o mantém até hoje. Passeando pelos espaços, o visitante pode aprender sobre a obra do escritor, ver a história do livro Iracema contada por imagens e saber mais sobre escravidão e cultos afro-brasileiros. A visitação é gratuita”.



5. Café Coreto, Goiânia (GO)

“Uma cafeteria com com corners de produtos exclusivos”, como itens de decoração e de moda, livros e materiais de papelaria. Na cafetaria, também são servidos “vinhos, cervejas especiais e almoço de segunda à sábado”. A decoração é bucólica, com um pouco da rusticidade típica do interior. Portanto, “um espaço para reunir com amigos ou a trabalho, degustar das delícias do […] cardápio, comprar tranquilamente ou apenas tomar um ótimo café”. Acompanhado, claro, de uma ótima leitura.



6. Livraria Arte & Letra, Curitiba (PR)

Livraria, café e editora, abriu em 2006 e “sempre teve uma seleção cuidadosa dos livros que temos em nossas estantes, pois a ideia é oferecer algo mais que apenas vender livros. Procuramos por títulos que lemos e gostamos, que temos interesse de algum dia ler ou que sejam importantes para a formação do leitor. A Arte & Letra é um lugar das ideias, da conversa e da discussão. E o melhor caminho é pela formação de leitores e incentivo à leitura. A leitura não faz ninguém melhor que o outro, mas sem dúvida faz com que se possa ver o mundo de outra maneira, de uma forma mais profunda. As livrarias deveriam ajudar as pessoas a conquistar isso. A Arte & Letra existe para manter a literatura viva”. Em tempos de fechamento de livrarias, esta se mostra uma ótima dica para quem estiver em Curitiba.



7. Caminhos Drummondianos, Itabira (MG)

“O Museu de Território Caminhos Drummondianos demonstra a relação Drummond-Itabira em placas-poemas localizadas nos locais citados pelo poeta em suas obras. Percorrer os caminhos é vivenciar a obra de Drummond diretamente relacionada a fatos, locais e personalidades de Itabira que fizeram parte da vida do poeta. Os pontos de maior atenção são: a casa onde Drummond morou, o Memorial projetado pelo arquiteto e amigo Oscar Niemeyer e o Centro Cultural Fazenda do Pontal, onde o poeta viveu parte de sua infância”.



8. Biblioteca de São Paulo, São Paulo (SP)

“Situada na Zona Norte da capital, foi concebida para ser um espaço arrojado, com projeto inovador de inclusão social por meio da leitura. Sua estrutura foi planejada para oferecer conforto, autonomia e atenção aos sócios e frequentadores, que são o elemento central da biblioteca. […] Oferece conteúdo em formatos variados, como livros tradicionais ou em formatos acessíveis (braille, audiolivro), DVDs, CDs, além de jogos. […] A biblioteca, conta com recursos tecnológicos e oferece aos seus usuários microcomputadores, rede wireless e terminal de autoatendimento. Inspirada na Biblioteca de Santiago, no Chile, e nas melhores práticas adotadas pelas bibliotecas públicas do país, a BSP está em sintonia com as ações do programa Mais Cultura, do Ministério da Cultura (MinC), que vem atuando, entre outras frentes, na oferta de equipamentos e espaços que permitam o acesso da população à produção e à expressão cultural, em âmbito nacional”.



9. Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo (SP)

“É uma das mais importantes bibliotecas de pesquisa do país. Fundada em 1925 como Biblioteca Municipal de São Paulo, é a maior biblioteca pública da cidade e a segunda maior biblioteca pública do país, superada, apenas, pela Biblioteca Nacional. Foi inaugurada, em 1926, na Rua 7 de Abril, com uma coleção inicial formada por obras que se encontravam em poder da Câmara Municipal de São Paulo, em cujo prédio a Biblioteca funcionava. Em 1937, incorporou a Biblioteca Pública do Estado e, a partir de então, importantes aquisições de livros, muitos deles raros e especiais, enriqueceram seu acervo. O crescimento de seu acervo e serviços ocasionou a mudança da biblioteca para o atual edifício, localizado na Rua da Consolação”.



10. Casa das Rosas, São Paulo (SP)

Esse casarão é “uma mansão em estilo clássico francês com trinta cômodos, edícula, jardins, quadras e pomar na Avenida Paulista, local que reunia a maioria dos milionários barões do café. […] Foi concluída em 1935. […] Ameaçado de demolição, o casarão foi preservado em ação inédita no Brasil. Na parte do terreno que dá para a Alameda Santos, foi liberada a construção de um moderno edifício comercial enquanto a casa foi restaurada e transformada pelo Estado de São Paulo em espaço cultural, inaugurado no ano do centenário da Avenida Paulista, 1991. […] Tem oferecido à população de São Paulo cursos, oficinas de criação e crítica literárias, palestras, ciclos de debates, lançamentos de livros, apresentações literárias e musicais, saraus, peças de teatro, exposições ligadas à literatura, etc. Transformou-se, portanto, em um museu que se notabiliza pelo trabalho de difusão e promoção da literatura de escritores muitas vezes deixados de lado pelo mercado e pela oferta de oficinas e cursos de formação para aqueles que pretendem se tornar escritores ou aprimorar sua arte”.

Fonte: http://bit.ly/2lsvY73

Aos 11 anos, menino ensina a mãe a ler em Natal





O pequeno Damião Andrade, de 11 anos de idade, ainda não tem muita desenvoltura na leitura, mas já conseguiu um grande feito: ensinou a mãe - que nunca frequentou uma escola - a escrever o próprio nome. “Todo mundo rejeitando ela e eu resolvi ajudar. Eu ajudei, ela tá sabendo as letras, já aprendeu o nome”, conta o garoto.

Em cada letrinha que aprende dona Sandra de Andrade descobre um mundo novo. “Ele lê e explica. Vai lendo e explicando o que significa”, diz.

A ideia de ensinar a mãe a ler e escrever veio do gosto pela leitura.Incentivado pelas professoras da Escola Municipal Nossa Senhora da Apresentação, na Zona Norte de Natal, Damião levava livros todos os dias para ler em casa. “Todo dia ele trazia quatro livros pra casa, devolvia e trazia mais quatro. E ele ficava lendo pra mim e eu fiquei cada vez mais vendo ele no que eu queria ser”, diz a mãe, orgulhosa.

“A leitura é trabalhada para além da escola. Ela não fica aqui na escola, a gente quer que os nossos alunos desenvolvam o hábito pela leitura também fora da escola”, diz Maria Ziane de Araújo, diretora da escola.

Para a professora do garoto, Damião é um exemplo de como o hábito de ler pode mesmo mudar o universo das pessoas. “Mesmo Damião ainda em processo de leitura ele se prontificava a ler para a mãe e sempre voltava dizendo da alegria dela de ter compreendido a história”, conta Teresa Moura.

E quando questionado por que gosta tanto de ler, Damião tem a resposta na ponta da língua: "A imaginação vai mais longe".

Os primeiros 80 livros do resto de nossas vidas...




A bibliotecária e youtuber Gabriela Pedrão, que mantém um badalado canal no YouTube, resolveu soltar também sua própria lista de ano novo. Como todo mundo que faz o balanço do Ano Velho e cria suas resoluções de Ano Novo, ela, sempre bem humorada e divertida, resolveu ser bem mais modesta e lançou para sua lista de milhares de seguidores uma lista com os 80 títulos que está muito a fim de ler. Só que ela própria já trata de avisar: "essa lista começa, hoje, com 80 títulos, mas com certeza será atualizada conforme eu interesse por outras obras". E diz mais: "É a minha versão pessoal do ‘1000 livros para ler antes de morrer’, sabe? Postei aqui para quem mais se interessar e porque fica fácil de ir consultando".

Gabriela, que tem mantido a rotina de postar um vídeo novo a cada duas semanas para bibliotecários e vários outros por mês sobre seu paixão predileta - ler livros e falar sobre eles, de forma direta, reta e bem humorada - explica o que a motivou. "Com o fim do ano, já comecei a me preparar para os balanços finais. Lidos – não lidos e os projetos para 2017, é claro. Pensando nisso e em tudo que não li e ainda quero ler, resolvi fazer uma lista sem fim de obras fundamentais . É uma lista para a vida, sem especificação de datas para concluir. É formada por coisas que quero ler há tempos, que preciso ler porque são referência, porque marcaram época ou que vem me despertando curiosidade. As escolhas foram baseadas em diversas listas de ‘coisas que você precisa ler porque são fodas’".

Com seu estilão despachado, a youtuber já faz, em um PS, uma advertência para que não a molestem "Lembrete: essa lista é uma escolha pessoal minha e contém obras que eu quero ler. Então, nem adianta dizer que está faltando isso ou aquilo. Ela contém obras clássicas e fundamentais para literatura e com quase nada de contemporâneo, é proposital. Para facilitar, está tudo separado em subgrupos e organizado por ordem alfabética de autor. Quando estiver sinalizado com OK é porque já foi lido..."

Eis, então, a lista elaborada pela moça e praticamente uma popstar da biblioteconomia nacional:

HABEMOS LISTA:

Clássicos:

O Conde de Monte Cristo – Alexandre Dumas
Drácula – Bram Stoker
Os Lusíadas – Camões
Grandes esperanças – Charles Dickens
David Copperfield – Charles Dickens
Robinson Crusoé – Daniel Defoe
A divina comédia – Dante Alighieri
Crime e castigo – Dostoievski
Os irmãos Karamazov – Dostoievski
Os Maias – Eça de Quirós
O morro dos ventos uivantes – Emily Bronte
Cem anos de solidão – Gabriel Garcia Marquez
Revolução dos bichos – George Orwell
Fausto – Goethe
Madame Bovary – Gustave Flaubert
O Sol é para todos – Harper Lee
O jogo das contas de vidro – Hermann Hesse
Odisséia – Homero
Iliada – Homero
O apanhador no campo de centeio – J.D. Salinger
Mansfield Park – Jane Austen
As vinhas da ira – John Steinbeck
O Aleph – Jorge Luis Borges
Coração das trevas – Joseph Conrad
Meu nome é vermelho – Orhan Pamuk
Em busca do tempo perdido (7 volumes) – Proust
O médico e o monstro – Robert Louis Stevenson
O livro da Selva – Rudyard Kipling
Memorial do convento – Saramago
Hamlet – Shakespeare
Macbeth – Shakespeare
Otelo – Shakespeare
O vermelho e o negro – Stendhal
A montanha mágica – Thomas Mann
Anna Kariênina – Tolstói
Guerra e paz – Tolstói
Mrs Dalloway – Virginia Wolf
Lolita – Vladimir Nabokov
A ilha do dia anterior – Umberto Eco
O Senhor das moscas – William Golding
O livro das mil e uma noites
Brasileiros:

Noite na taverna – Álvares de Azevedo
A rosa do povo – Carlos Drummond de Andrade
Espumas flutuantes – Castro Alves
Romanceiro da Inconfidência – Cecília Meirelles
A paixão segundo GH – Clarice Lispector
O vampiro de Curitiba – Dalton Trevisan
Os sertões – Euclides da Cunha
Encontro marcado – Fernando Sabino
A obscena Senhora D – Hilda Hilst
Não verás país nenhum – Ignácio de Loyola Brandão
O grande sertão: Veredas – João Guimarães Rosa
Sagarana – João Guimarães Rosa
Gabriela, cravo e canela – Jorge Amado
O coronel e o lobisomem – José Cândido de Carvalho
Triste fim de Policarpo Quaresma – Lima Barreto
Dom Casmurro – Machado de Assis
Vestido de noiva – Nelson Rodrigues
O quinze – Rachel de Queiroz
Fantasia:

Senhor dos Anéis (3 tomos) – J.R.R. Tolkien
O nome do vento – Patrick Rothfuss
Contos de fadas
Ficção Científica:

Laranja mecânica – Anthony Burgess
2001: uma odisseia no espaço – Arthur C. Clarke
Encontro com Rama – Arthur C. Clark
Contato – Carl Sagan
O guia do mochileiro das galáxias (5 livros) – Douglas Adams
A guerra dos mundos – H.G. Wells
A máquina do tempo – H.G. Wells
Eu, robô – Isaac Asimov
A ilha misteriosa – Júlio Verne
Viagem ao centro da Terra – Júlio Verne
Frankenstein – Mary Shelley
Snow crash – Neal Stephenson
Ender’s game – Orson Scott Card
Crônicas Marcianas – Ray Bradbury
Um Cântico para Leibowitz – Walter M. Miller Jr.
Quadrinhos:

V de vingança – Alan Moore
Do Inferno – Alan Moore
Y: o último homem – Brian K. Vaughan
Sin City – Frank Miller
Preacher – Garth Ennis
Sandman – Neil Gaiman